Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Verão mais seco do que quente com temperaturas baixas em Julho e Agosto

Temperaturas refrescantes em Agosto não impedem que este Verão seja considerado “típico”, com temperaturas quentes e menos chuva do que nos anos anteriores, disse à agência Lusa o presidente do Instituto de Meteorologia (IM).

No início de Junho, Adérito Serrão dissera à Lusa que os modelos meteorológicos de previsão a médio prazo para Junho, Julho e Agosto em Portugal continental apontavam para tempo quente e seco com valores de temperaturas de 0,5 graus acima da média dos 30 anos de referência (1971/2000).

Agora, confirma que “estamos num Verão que não foi excessivamente quente”, como apontavam as previsões do Instituto de Meteorologia.

“Até Julho essa previsão estaria perfeitamente confirmada, o mês de Agosto [até dia 19] veio a refrescar um pouco mais o Verão, com temperaturas um pouco mais baixas”, sublinha.

As temperaturas em Agosto têm sido ligeiramente inferiores, em particular nas regiões Norte e Centro, enquanto na região Sul têm acompanhado a média em termos de temperaturas máximas para este mês.

Adérito Serrão adiantou que a previsão do IM aponta para uma melhoria gradual do estado tempo com elevação das temperaturas em todo o território, ficando nos valores normais para a época.

Fazendo um balanço dos valores observados entre 01 de Junho e 19 de Agosto, o responsável do IM afirma que o Verão esteve, em termos de temperaturas, próximo dos valores normais para a época.

“Teve mais uma ou duas décimas em termos de temperatura média, mas não é significativo”, sublinhou.

Segundo o presidente do IM, houve uma diminuição relativamente à média de temperaturas mínimas.

“Não sentimos este ano muitas noites tropicais, mas tivemos um Verão normal com distribuição naturalmente desigual em termos de território”, sustentou.

Em termos de temperaturas máximas, o mês de Junho esteve sempre acima dos valores de referência, enquanto Julho registou temperaturas abaixo dos valores normais para a época.

“No confronto dos dois meses, tivemos um Verão típico com temperaturas relativamente elevadas” e com precipitação abaixo dos valores médios, designadamente até 19 de Agosto.

Adérito Serrão especificou que em Junho choveu 13 milímetros, quando o normal dos 30 anos de referência é em média 32 milímetros.

Em Julho, choveu 5,6 milímetros em média, contra os 13,8 milímetros de referência.

Até 19 de Agosto, tinham chovido oito milímetros quando o normal são 13,7.

“Dos cerca de 60 milímetros que chovem nesses três meses, tinham chovido, até 19 de Agosto, cerca de metade (26,7)”, sublinhou, frisando que tem sido um “Verão seco como estava previsto”, mas não “excessivamente quente”.

Em termos de risco incêndio, este ano, em particular no mês de Junho, ficou abaixo dos valores normais deste século (entre 2007 e 2007).

Julho e Agosto tiveram um comportamento relativamente “normal”, parecido com os verões do período de referência, acrescentou.

“Houve um benefício em termos meteorológicos para o património florestal porque as situações, principalmente no início do Verão, foram menos gravosas do que o habitual e vieram no prolongamento de Abril e Maio, que foram meses chuvosos e o coberto vegetal estava ainda húmido”, acrescentou.

Artigo AnteriorPróximo Artigo