Arouca, Desporto, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Volta mais árdua e aberta dos últimos cinco anos

A 70ª Volta a Portugal de bicicleta vai ocupar as estradas lusas entre 13 e 24 de Agosto, na edição mais árdua e imprevisível dos últimos cinco anos, mas sem a equipa que dominou quatro das derradeiras sete corridas.

A suspensão preventiva de nove elementos da LA-MSS, por alegada prática organizada de doping, e a consequente exclusão da prova por parte dos organizadores, deixou Benfica e Liberty Seguros como as grandes favoritas à vitória entre o pelotão português, seguidas por Fercase-Rota dos Móveis e Palmeiras-Tavira.

“É um percurso muito competitivo, com a subida à Torre logo na terceira etapa em linha, e a capacidade para recuperar do esforço é essencial nesta prova de 11 dias. Concordo que se trata da edição mais difícil dos últimos cinco anos”, disse Joaquim Gomes, director da corrida.

O Benfica, com três chefes-de-fila – o popular Cândido Barbosa, o espanhol Ruben Plaza e o experiente José Azevedo -, terá oportunidade de rectificar a desilusão de 2007 e reeditar o triunfo do espanhol David Plaza, já há nove anos.

“Os objectivos passam pela vitória individual e colectiva. Vamos espreitar cada oportunidade e atacaremos sempre que se proporcionar. Estes três corredores dão, sobretudo, mais alternativas em termos tácticos”, disse Orlando Rodrigues, director-desportivo “encarnado” e vencedor da Volta a Portugal em 1994 e 1995.

Barbosa, após três anos no pódio, vai tentar o êxito supremo, tal como Azevedo, na sua última temporada como profissional antes de abandonar uma carreira ainda sem o nome inscrito no palmarés da prova portuguesa, enquanto Plaza será a melhor “águia” no decisivo contra-relógio final.

“A nossa única e maior aposta é o (espanhol Hector) Guerra. Depois de ganharmos nos dois últimos anos por equipas e sempre com corredores no pódio, queremos a vitória individual”, afirmou Américo Silva, responsável técnico pela Liberty Seguros.

Guerra, vencedor da Volta ao Alentejo, já ficou no segundo lugar em 2006 e no terceiro em 2007, e terá toda a equipa trabalhar para si, incluindo o olímpico Nuno Ribeiro, último vencedor luso da Volta a Portugal (2003), o espanhol Koldo Gil, primeiro em Montejunto no recente Troféu Joaquim Agostinho, além do “sprinter” Manuel Cardoso.

A equipa de Paredes, reforçada com os espanhóis “Paço” Mancebo, quarto no “Tour” e na “Vuelta” de 2005, e Eladio Jimenez, que ganhou no ano passado na Torre e na Senhora da Graça, é outro conjunto forte, contando ainda com o também olímpico André Cardoso, “rei” da montanha em 2007.

O conjunto de Tavira, com o espanhol David Blanco, vencedor em 2006, o argentino Martin Garrido e o jovem Ricardo Mestre, também terá uma palavra a dizer, assim como a Barbot-Siper, liderada pelo espanhol e vencedor em 2004, David Bernabéu, ou a Madeinox-Boavista, com um irreverente Tiago Machado, vencedor do Troféu Joaquim Agostinho e vice-campeão nacional de fundo e “crono”.

“Com este nível de corredores nas equipas portuguesas e o conhecimento que têm do percurso, será muito difícil para os conjuntos estrangeiros intrometerem-se na luta”, previu Joaquim Gomes.

No entanto, o previsível combate a dois entre Benfica e Liberty Seguros pode abrir caminho a surpresas, mas só a Scott-American Beef (ex-Saunier Duval) e a Barloworld impõem algum respeito, respectivamente com o espanhol Jose Gomez Marchante, já por duas vezes nos primeiros 10 da “Vuelta”, e o colombiano Felix Cardenas e o italiano Enrico Gasparotto, incluídos na equipa do português Hugo Sabido.

Artigo AnteriorPróximo Artigo