Santa Maria da Feira, Sociedade

Portugueses e luso-descendentes espalhados pelo mundo são “um diamante por lapidar” – Aníbal Araújo – Sta. Maria da Feira

Os portugueses e luso-descendentes espalhados pelo mundo são “um diamante por lapidar” que “não podem ser esquecidos” pelo poder central, afirmou o delegado do gabinete para a área internacional das comunidades do PS, Aníbal Araújo.

“Apesar do esforço do actual Governo, é necessário fazer ainda mais pelas comunidades que, na minha opinião, têm sido esquecidas por todos os governos desde o 25 de Abril de 1974”, disse à Agência Lusa Aníbal Araújo.

“As comunidades portuguesas são um diamante por lapidar, quer na área cultural e social, quer nas grandes cabeças que temos espalhadas pelo mundo em vários campos”, referiu.

O representante do gabinete para a área internacional das comunidades do PS considerou que “é fundamental acarinhar e incentivar, sobretudo os luso-descendentes para não se perder a nossa identidade e cultura”.

Sublinhando que os cerca de cinco milhões de portugueses no mundo “estão alicerçados”, Aníbal Araújo acrescentou que “o problema da crise no associativismo não deve ser, contudo, descurado para que as várias instituições não morram”.

Aníbal Araújo – que é também proprietário da revista “Portugal”, especializada em assuntos ligados à lusofonia – falava à margem da I Convenção Mundial das Comunidades Portuguesas, que decorre até sexta-feira em Santa Maria da Feira, numa iniciativa da Associação dos Portugueses no Estrangeiro e da autarquia local.

A convenção integra delegados indicados pelas comunidades portuguesas, especialistas na matéria da emigração e membros do Governo português.

Artigo AnteriorPróximo Artigo