Cultura, Santa Maria da Feira

Viagem medieval em terra de Santa Maria – programa

No reinado de D. Dinis, o processo da Reconquista estava praticamente encerrado. A presença da Ordem dos Templários propiciava o melhor argumento para a defesa do Reino, sendo utilizada como instrumento da política de consolidação nacional implementada por el-rei. Mas, acusações levantadas por Filipe, o belo, de França contra os membros da Ordem, levam o papa Clemente V a extingui-la e a promover um concílio em Hispânia para averiguar as responsabilidades nestes territórios. 

El-rei D. Dinis não permite a alienação dos bens dos Templários e com este pretexto, faz um pacto secreto com Fernando IV de Castela, propondo a criação de uma nova ordem militar que receberia em doação aqueles bens. O papa João XXII promulga a bula Ad ea ex quibus que institui em Portugal, a Ordem de Cavalaria de Nosso Senhor Jesus Cristo, destinada a manter a cruzada religiosa contra os sarracenos, atribuindo-lhe a regra de Calatrava, com sede em Castro Marim e sujeitando-a à jurisdição do abade de Alcobaça. 

Na década de vinte do séc. XIV, o reino de Portugal encontra-se em guerra civil. De um lado, os partidários de D. Dinis e do outro, seu filho herdeiro D. Afonso, apoiado pela nobreza senhorial. Em 1321, numa altura em que era alcaide do Castelo da Feira, Gonçalo Rodrigues de Macedo, o futuro D. Afonso IV, a caminho do Porto, decide tomar o castelo. El-rei avança com as suas tropas em direcção ao norte e retoma a posse do Castelo da Feira. No final da peleja, com a intervenção da rainha D. Isabel, donatária da Terra de Santa Maria, el-rei D. Dinis concede o Castelo da Feira a seu filho. 

É uma época agitada, de perseguição e guerra civil e, ao mesmo tempo, de paz e de conciliação, em que apesar de tudo, o quotidiano de vida laboriosa continua e o mundo medieval não deixa de viver o seu lado festivo e animado. Assim será a Viagem Medieval em Terra de Santa Maria, de 1 a 10 de Agosto de 2008, promovida pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira em parceria com a Federação das Colectividades de Cultura e Recreio. 

Aproveite o tempo e venha reviver uma época de contrastes numa terra que foi disputada pelo poder real português – Santa Maria da Feira. 
 
 

MOEDA OFICIAL

dinheiro 

Loja de Trajes Medievais

[ Casa do Moinho ] 
 

Contexto histórico

– Século XIV

– Reinado de D. Dinis

– Ordens Religiosas e Militares 
 

programa diário 

1. AGO’08 [ SEX ] 

1300 – A esposa de D. Dinis, a rainha D. Isabel recebe em arras o Castelo da Feira, aquele que é da Terra de Santa Maria. 

1307 – Extinção da Ordem dos Cavaleiros Pobres do Templo de Salomão

Acusada de graves crimes por parte de Filipe IV de França, e com a anuência do papa Clemente V, são perseguidos e aprisionados vários membros da Ordem. Sabendo que os reinos de Portugal e Castela tinham feito um pacto secreto de não alienação dos bens dos Templários, com a permissão de D. Dinis, muitos refugiam-se em Portugal. 

ABERTURA

local Castelo

hora 17h00 

JUSTAS APEADAS

local Praça Nova

hora 20h00 

SEXTA-FEIRA, TREZE

local Margem esquerda do rio Cáster

hora 22h00 

JUSTAS

local Liça

horário 22h00

preço 4 Eur. 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

2. AGO’08 [ SÁB ] 

1318 – El-rei D. Dinis envia ao papa João XXII o cavaleiro João Lourenço de Monsarrás e Pedro Martins, cónego da Sé de Coimbra, com a proposta de criação de uma nova ordem militar que ficará com a administração do extinto património templário de Portugal. 

CHEGADA DAS ORDENS MILITARES

local Ruas do burgo até ao Castelo

hora 21h30 

CHEGADA DA ORDEM DOS TEMPLÁRIOS

local Ruas do burgo até às margens do rio Cáster

hora 22h00 

JUSTAS APEADAS

local Praça Nova

hora 20h00 

JUSTAS

local Liça

horário 21h00 e 23h00

preço 4 Eur. 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

3. AGO’08 [ DOM ] 

1319,14 de Março – O papa acede ao pedido de D. Dinis e institui a Ordem de Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo pela bula Ad ea ex quibus com o objectivo de manter a cruzada religiosa contra os sarracenos.  

1319, 5 de Maio – Na presença de el-rei D. Dinis é lida a bula que rectifica a doação para a Ordem de Cristo dos castelos, vilas, lugares, fortalezas e de todos os bens que pertenciam aos Templários. À nova Ordem, com sede em Castro Marim, é atribuída a regra de Calatrava, ficando sujeita à jurisdição do abade de Alcobaça.  

CORTEJO E INSTITUIÇÃO DA ORDEM DE CRISTO

local Igreja da Misericórdia / Castelo

hora 17h00 

OS MILAGRES DA RAINHA SANTA

local Jardim dos Lóios

hora 21h30 

JUSTAS APEADAS

local Praça Nova

hora 20h00 

JUSTAS

local Liça

horário 21h00 e 23h00

preço 4 Eur. 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

4. AGO’08 [ SEG ] 

1319 – Iniciam-se as hostilidades entre el-rei D. Dinis e seu herdeiro legítimo D. Afonso.

El-rei é acusado pela alta nobreza de favorecer o seu filho natural Afonso Sanches nas pretensões ao trono. Explorando este facto, a nobreza convence o infante D. Afonso a assumir e a restabelecer a justiça do reino. 

1320, 1 de Julho – Nesta sequência, el-rei D. Dinis manda ler publicamente, na cidade de Santarém, um manifesto acusatório contra seu filho. 

OS MILAGRES DA RAINHA SANTA

local Jardim dos Lóios

hora 21h30 

COUSAS DA CORTE

local Entrada do Castelo

hora 22h30 

JUSTAS APEADAS

local Liça

hora 20h00 

JUSTAS

local Liça

horário 22h00

preço 4 Eur. 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

5. AGO’08 [ TER ] 

1321, Março – Como forma de retaliação, os partidários do príncipe D. Afonso assassinam o bispo de Évora, em Estremoz. 

1321, final do ano – El-rei manda publicar mais dois manifestos contra seu filho lídimo e seus partidários, acusando-os de traidores. Em resposta, o príncipe D. Afonso apodera-se de Coimbra e o espectro da guerra civil invade todo o Reino. 

OS MILAGRES DA RAINHA SANTA

local Jardim dos Lóios

hora 21h30 

COUSAS DA CORTE

local Entrada do Castelo

hora 22h30 

JUSTAS APEADAS

local Liça

hora 20h00 

JUSTAS

local Liça

horário 22h00

preço 4 Eur. 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

6. AGO’08 [ QUA ] 

6 de Janeiro de 1322 – O príncipe D. Afonso vai a caminho do Porto e resolve tomar o Castelo da Feira, da Terra de Santa Maria. Era alcaide, a favor de el-rei, Gonçalo Rodrigues de Macedo. 

E donde mandou dizer ao Conde D. Pedro, seu irmão, que andava em Castela desterrado, que se viesse à cidade do Porto, porque ele ia para lá; e, no caminho, tomou o castelo da Feira, que é em terra de Santa Maria, de que era Alcaide, por El-Rei, Gonçalo Rodrigues de Macedo, e daí tomou o castelo de Gaia. 

ASSALTO AO CASTELO

local ruas do burgo / Castelo

hora 22h00 

JUSTAS

local Liça

horário 22h00

preço 4 Eur. 

JUSTAS APEADAS

local Praça Nova

hora 23h30 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

7. AGO’08 [ QUI ] 

1322, Março – D. Dinis avança até Coimbra. A rainha D. Isabel, com a ajuda de D. Pedro Afonso, Conde de Barcelos, tenta pacificar as partes envolvidas no conflito. 

1323, Outubro – Cortes em Lisboa

D. Afonso está presente nas Cortes. A assembleia não aceita as suas pretensões. Retira-se para Santarém, onde reúne os seus homens e avança sobre Lisboa ao encontro das tropas de D. Dinis. Mais uma vez a rainha restitui a paz. 

COUSAS DA CORTE

local Entrada do Castelo

hora 22h30 

JUSTAS APEADAS

local Liça

hora 20h00 

JUSTAS

local Liça

horário 22h00

preço 4 Eur. 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

8. AGO’08 [ SEX ] 

1324, 25 de Fevereiro – Acordo em Santarém.

El-rei cede às reclamações de seu filho legítimo e da nobreza senhorial.

Afonso Sanches é afastado das pretensões ao trono e o infante D. Afonso obtém a segurança da sucessão, presta homenagem a seu pai e recebe o senhorio das povoações que tinha ocupado: Coimbra, Montemor-o-Velho, Feira, Gaia e Porto. 

DOAÇÃO DO CASTELO A D. AFONSO

local ruas do burgo / Castelo

hora 22h00 

JUSTAS APEADAS

local Liça

hora 20h00 

JUSTAS

local Liça

horário 22h00

preço 4 Eur. 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

9. AGO’08 [ SÁB ] 

1325, 7 de Janeiro – Morre D. Dinis em Santarém.

E este Rey de começo de seu reynado atee o fim delle (…) foy rey muy excelente e por seu bom nome conhecido e estimado (…) e teue em perfeiçã tres virtudes. Verdade Justiça e nobreza Como diz o povo: não há juiz como D. Dinis. 

Cortes de Évora

D. Afonso convoca para as cortes os ricos-homens, cavaleiros e outros filhos de algo “pera me receberem como a Rey e por Senhor e me fazerem menagem e me conhecerem”. É aclamado rei de Portugal. 

O REINO DE LUTO

local Castelo / Igreja da Misericórdia

hora 21h30 

JUSTAS APEADAS

local Praça Nova

hora 20h00 

JUSTAS

local Liça

horário 21h00 e 23h00

preço 4 Eur. 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 

10. AGO’08 [ DOM ] 

1325, 22 de Julho – D. Isabel de Aragão faz a peregrinação a Santiago de Compostela.

De regresso é acompanhada pelos cavaleiros de Santiago. O povo, sabendo da sua passagem por Terra de Santa Maria, acorre ao seu encontro. 

PEREGRINAÇÃO DA RAINHA SANTA

local Igreja da Misericórdia / Castelo

hora 17h00 

JUSTAS APEADAS

local Liça

hora 20h00 

DEUS ADHVEO

local Casa de Fijô / Igreja da Misericórdia

hora 22h00 

GRANDE TORNEIO

local Liça

hora 22h00 

O SENHOR DA FESTA

local escadaria do Convento dos Lóios

hora 00h00 

ANIMAÇÃO CIRCULANTE 
 
 

ÁREAS TEMÁTICAS 

* [ áreas com bilheteira ] 

ABADIA* [ nova ] 

O quotidiano dos monges, apesar das tarefas ligadas à sobrevivência material, é vivido em função do tempo litúrgico. A porta do templo é a entrada para o espaço sacralizado e para o monge. Representa também a recusa da vida profana, agora suprida pela prática do silêncio, do jejum, da abstinência do vinho e pela austeridade do vestuário. Estudam latim e aprendem a cantar.  

O soar do sino marca a vivência e a sacralização do tempo: são os salmos, as lições, os hinos, os credos, os cânticos, os responsos que ecoam no claustro, no refeitório ou no coro, desenrolando-se segundo a liturgia que começa nas Matinas à meia-noite e termina nas Completas às sete horas da tarde.  

O silêncio permite a comunicação com Deus, e o monge, nas suas leituras, passeia-se pelo claustro ou aconchega-se no frio da sua cela, procurando viver o tempo da Salvação. 

local Convento dos Lóios

hora de visita tarde ›15h15/16h15/17h15/18h15

noite › 20h30/21h15/22h15/23h00

[ 1. agosto > 1ª visita: tarde › 17h15 ]

preço 2 Eur. 
 

BANHOS PÚBLICOS DE S. JORGE* [ nova ] 

Os banhos públicos são a herança legada dos hábitos higiénicos romanos e muçulmanos que tanto influenciou o mundo ocidental. Estavam presentes em diversos núcleos urbanos, comprovados por alguns topónimos – rua dos banhos ou porta dos banhos –, deixando marcas em locais onde o abastecimento de água não representava qualquer problema de consumo.  

Era um espaço gratuito, comunitário, de sociabilidade e convivência em que se exigia o cumprimento de regras de utilização, de acordo com horários e calendários pré-estabelecidos. Abertos diariamente, eram determinados os dias para os banhos femininos – domingo, terça e quinta –, e os restantes eram atribuídos aos homens. Dependendo das posses de cada um, podiam fazer-se acompanhar de um escudeiro ou de uma criada.  

Tomava-se banho segundo as fases da lua: o nono dia da lua é bom para banhar. 

local Lago da Quinta do Castelo

hora 15h00 às 23h30

preço 2 Eur.

[ incluí banho pulverizado nas pernas, chá e repouso] 
 

CAMPO DE ARQUEIRO* [ nova ]

local margens do rio Cáster

hora 15h00 às 00h00

preço 1 Eur. 
 

FLORESTA ENCANTADA* 

À entrada da Floresta Encantada encontra-se Zabaro, o malogrado feiticeiro, que se lamenta junto do público. Há dois anos que procura em vão o seu ajudante, que fugiu com o ouro que conseguiu criar ao fim de cem anos de pesquisas e com a ajuda preciosa do público de outras edições da Viagem Medieval.  

O público é convidado é convidado a ajudá-lo na sua busca ao longo da floresta.  

Pelo caminho acontecem várias peripécias….  

local Guimbras

hora 15h00 às 20h00

preço 2 Eur. 
 

GRANDE TORNEIO*

data 10. Agosto

local Liça

hora 22h00

preço 8 Eur. 
 

JUSTAS*

data 1. a 9. Agosto

local Liça

hora semana  › 22h00 | dias 2, 3 e 9 › 21h00 e 23h00

preço 4 Eur. 
 

NOITES DO CASTELO* [ nova ]

dias 1 a 10. Agosto, excepto dia 6. Agosto

local Castelo

hora 21h00 às 23h30

preço 10 Eur. 
 

O FEITIÇO DA CORUJA* [ nova ] 

Algures perdida no bosque, perto do Castelo, vive uma solitária e velha coruja. Sua Graça Corujina! Após 30 anos de solidão, decide pôr em prática três feitiços maquiavélicos que aprendera com a bruxa Malvina. Para isso, precisará da preciosa ajuda do público… Mas, além de velha e cansada, Corujina é muito desajeitada… será que vai conseguir? Ou transformará o bosque num paraíso sobrevoado por seres fantásticos? Descubra estes feitiços… e não se esqueça que, como em qualquer conto, tudo pode acontecer.  

local margens do rio Cáster

hora dias 1 e 8 › 17h às 21h / dias 2, 3 e 9 › 15h00 às 22h / dias 4 e 7 › 17h às 21h / dia 10 › 15h às 19h

preço 1,5 Eur. 
 

PASSEIO NAS MONTADAS*

local Encosta do Castelo / Margens do rio Cáster

hora 15h00 às 00h00

preço 2,5 Eur. 
 

SENTIR DO GUERREIRO*

local Encosta do Castelo

hora 15h00 às 20h00

preço 2 Eur. 
 

TOMADA DO CASTELO*

local muralha do Castelo

hora 15h00 às 20h00

preço 1,5 Eur. 
 

TREINO DE ESCUDEIROS* 

Espaço de jogos medievais para crianças com mais de 10 anos de idade. 

› Gladiadores

› Jogo dos pipos

› Jogo das lanças

› Catapultas

› Pontaria dos cavaleiros 

Jogos Medievais

Ricos, menos ricos e pobres deixavam-se seduzir por todos os festejos que se organizavam por toda a parte. Os jogos também faziam parte das festas, sendo quase obrigatório nos festejos públicos. 

Os jogos de destreza e de luta, como o das canas, o bafordo ou o tavolado, eram muito populares e podiam ser jogados a pé ou a cavalo. Por exemplo, no bafordo o cavaleiro arremessava a lança contra uma bastida de tábuas, propondo-se a abatê-las. 

Arremessar a lança, a barra ou a espada, saltar de corredilhas ou correr eram praticados por quase todos.

Também muito populares na Idade Média eram os jogos de mesa. O jogo dos dados, o do xadrez, e mais tarde o das cartas – estes mais populares entre os humildes, eram praticados nas tavolagens, espécies de “casinos” medievais, onde se jogava a dinheiro e que de tempos a tempos eram proibidas e encerradas. 

local margens do rio Cáster

hora semana 17h00 às 00h00

fim-de-semana 16h00 às 00h00

preço 1 Eur. 
 

VIVÊNCIAS NO CASTELO*

local Castelo

horário

10h00 às 12h00 e das 14h30 às 18h30

excepto dia 1 [14h00 às 18h30]

preço

3 eur. [adulto] / 1,5 eur. [6 aos 12, reformados

ou mais de 65 anos] gratuito [até aos 6 anos de idade] 
 

ALOJAMENTO DE CAVALEIROS*

local Margens do Rio Cáster

hora 15h00 às 00h00 
 

ÁREAS ALIMENTARES

local Perímetro da Viagem Medieval

hora 12h00 às 02h00 
 

ARRAIAL

local Margens do Rio Cáster

hora 15h00 às 00h00 
 

ARRAIAL DAS ORDENS MILITARES E RELIGIOSAS [ nova ] 

O apelo à propagação da fé e à conquista da Terra Santa, feito pelo papa Urbano II a todos os reinos cristãos, origina a criação das ordens religioso-militares que, em nome de Deus e da Fé Cristã, vão empreender as Cruzadas contra os infiéis e proteger os peregrinos na Terra Santa. 

Estas instituições gozam do estatuto de isenção, com dependência directa do papa, primeiro a do Templo em 1118, depois a dos Hospitalários em 1136, a de Santiago em 1160 e a de Avis em 1176, promovem verdadeiros pactos político-estratégicos com os monarcas cristãos. 

Nos reinos ibéricos, este facto é confirmado pela criação, em 1319, da nova Ordem de Cristo, renascida das cinzas dos Templários portugueses. Actuam de forma integrada, auxiliando na expansão da religião cristã e na defesa e administração das terras ganhas aos sarracenos, recebendo privilégios, bens e protecção. A sua importância militar não advém da dimensão dos seus contingentes, mas sim da sua disciplina, preparação e bom armamento do cavaleiro.  

O território até ao rio Tejo é determinante para a afirmação e o património destas instituições. É aqui que elas se implantam e se fortalecem, difundem a fé de Cristo e ganham experiência para outras empresas mais exigentes a sul. Vão alcançar a confiança da monarquia, permitindo que, no futuro, desempenhem um lugar relevante na sociedade portuguesa. 

local Encosta do Castelo [ Arraial da Ordem de Avis, Hospitalários e Santiago ] / Margens do rio Cáster [Ordem dos Templários (Ordem de Cristo) ]

hora 15h00 às 00h00 
 

CONTADORES DE HISTÓRIAS

local Lago das Guimbras

hora 15h00 às 00h00 
 

ESTALAGEM

local Margens do rio Cáster

hora 17h00 às 00h00 
 

FALCOARIA

local margens do rio Cáster

hora 12h00 às 00h00 
 

FEIRA

local Centro Histórico de Santa Maria da Feira

hora 12h00 às 00h00 
 

JARDIM DAS ROSAS [ nova ] 

São rosas Senhor!…

O milagre das rosas reflecte a santidade da rainha D. Isabel, fiel esposa de D. Dinis. Prestando menagem à Rainha Santa, foram plantados cerca de 700 pés de roseiras, que vão transformar o Jardim das Rosas num espaço de beleza e poesia, simbolizando a devoção de um povo e de uma época. 

local jardim do Convento dos Lóios 
 

JUSTAS APEADAS

hora/data/local 20h00

dias 1, 2, 3 e 9 › Praça Nova

dias 4, 5, 7, 8 e 10 › Liça

dia 6 › 23h30 › Praça Nova

gratuito 
 

LAGO DOS FEITIÇOS

local Lago das Guimbras

hora 12h00 às 00h00 
 

LIÇA 

Terreiro delimitado por vedações com palanques e tribunas, onde tomavam assento os espectadores, a liça era, por excelência, um local urbano de justas e torneios, organizados em tempo de festas. Prolongavam-se, pelo menos, durante duas semanas e encerravam com a cerimónia de entrega dos prémios aos vencedores. 

Estes jogos da nobreza serão imitados, ao longo dos tempos, pelos homens burgueses que os reproduzem na perfeição, mantendo as suas regras e sinais, correndo, muitas vezes, o risco de se perderem em paródias burlescas, tendo como tema principal “por amor de uma dama”. 

local margens do Rio Cáster 
 

MOINHO DO PAPEL 

Na tenda do Moinho do Papel o visitante pode ver e fazer uma folha de papel, num gesto que remonta à época medieval e que permaneceu em Portugal até meados do século XIX como a única forma de fazer papel. 

O papel era feito a partir de trapos de linho, de cânhamo ou de algodão que, depois de cortados, eram transformados numa pasta, colocada juntamente com água, numa tina de madeira. Com o recurso de uma forma, era então feita a folha de papel, num processo de produção folha a folha. Estas folhas eram colocadas a secar num estendal e, depois de secas e escolhidas, serviam para escrever documentos. 

Nestas folhas de papel ficaram registados até hoje os acontecimentos, a religião, as guerras, a fome, os reinados, as descobertas, a poesia e as vivências da época medieval.  

O Papel na Idade Média 

Em Portugal, a utilização do papel como suporte de documentos escritos remonta ao século XIII. No entanto, as notícias sobre os primeiros moinhos papeleiros em território português surgem somente a partir do século XV, com destaque para os engenhos de papel junto ao rio Liz, em Leiria. Daqui, a produção manual de papel espalhou-se por toda a região (Batalha, Fervença, Alcobaça), surgindo outros moinhos de papel, por vezes, do aproveitamento de antigos moinhos farinheiros. 

local junto à escadaria do Convento dos Lóios

hora 15h00 às 00h00 
 

PEQUENOS GUERREIROS [ nova ] 

Espaços de jogos medievais para crianças até aos 10 anos de idade.  

› Agulha no palheiro

› Cavaleiros

› Baqueta

› Jogos de mesa

› Jogo da moeda

› Três em linha

› Jogo das argolas

› Bowling medieval

› Cabra-cega

› Pinturas faciais alusivas à época

› Jogo surpresa 

Jogos Medievais

Ricos, menos ricos e pobres deixavam-se seduzir por todos os festejos que se organizavam por toda a parte. Os jogos também faziam parte das festas, sendo quase obrigatório nos festejos públicos. 

Os jogos de destreza e de luta, como o das canas, o bafordo ou o tavolado, eram muito populares e podiam ser jogados a pé ou a cavalo. Por exemplo, no bafordo o cavaleiro arremessava a lança contra uma bastida de tábuas, propondo-se a abatê-las. 

Arremessar a lança, a barra ou a espada, saltar de corredilhas ou correr eram praticados por quase todos.

Também muito populares na Idade Média eram os jogos de mesa. O jogo dos dados, o do xadrez, e mais tarde o das cartas – estes mais populares entre os humildes, eram praticados nas tavolagens, espécies de “casinos 

local jardim do Convento dos Lóios

hora 15h00 às 23h00 
 

SÍTIO DOS TORMENTOS

local  Zona de Merendas junto ao Castelo

hora 15h00 às 00h00 
 
 

GRUPOS DE ANIMAÇÃO 

ACRD, Santa Maria da Feira

Aguillas de Valporquero, Espanha

A Rua`Da, Saltarellus e Teatramos, Santa Maria da Feira

Al’ Ubah, Santa Maria da Feira

Arabesk – Danças Orientais, Vila Nova de Gaia

Art’Encena, Santa Maria da Feira

Axabeba, Espanha

Bonecreiros da Côrte, Alcobaça e Santa Maria da Feira

Centro de Cultura e Recreio do Orfeão da Feira, Santa Maria Feira

Concentus Allavarium, Aveiro

Danças  Adultos – Piscinas Municipais, Santa Maria da Feira

Danças  Crianças – Piscinas Municipais, Santa Maria da Feira

Duo Farina Moglione, Agentina

Els Berros de la Cort, Espanha

Espada Lusitana, Lisboa

Grupo de Tambores e Gaitas de Santa Maria, Santa Maria da Feira

Grupo de Percursão do Cirac e Elemento C, Santa Maria da Feira

Hai-Luz, Santa Maria da Feira

Istaminé, Santa Maria da Feira

Jabardeus, Espanha

Jens, Lisboa

Les Farfadets, França

Les Mercatores, França

Marionetas de Mandragora, Gondomar

MD5, Santa Maria da Feira

Mediaevus Chorus, Santa Maria da Feira

Os Trabucos, Évora

Ramonlluc de Selvanyola, Espanha

Rufus e Circus, Santa Maria da Feira

Strella do Dia, Carcavelos

Thorsten, Lisboa

Teatro Assombrado, Santa Maria da Feira

Vox Chordae, Ovar

Waraok, França 
 

ASSOCIAÇÕES DE ANIMAÇÃO ÂNCORA 

ACDL

ACRD Escapães

Amigos do Cavaco

Andorinhas de Espargo

As Lavradeiras de S. João de Ver

CIRAC

Clube Desportivo Feirense

Danças e Cantares Margens do Rio Uíma

Danças e Cantares Regionais da Feira

Florinhas das Caldas de S. Jorge

Florinhas de Rio Meão

Fórum Ambiente e Cidadania

G.D.C. Mozelos

GRIC – Lourocoop

Juventude de Sanguedo

Lavradeiras de S. João de Ver

Malmequeres de Lourosa

MD5

Pelo Prazer de Viver

Rancho Folclórico de Santiago de Lobão

Romeiros de Souto

Vagabundos do Castelo 

 

www.viagemmedieval.com

www.cm-feira.pt

www.feiraviva.com

www.feiranima.com

www.fecofeira.pt 

 

infoline / reserva de bilhetes

tlm. 915 220 811 / 937 785 080 

 

Organização

Câmara Municipal de Santa Maria da Feira

Federação das Colectividades de Cultura e Recreio de Santa Maria da Feira 

Produção Executiva

Feira Viva – Empresa Municipal 

Parceria Executiva

Sociedade de Turismo de Santa Maria da Feira 

Patrocínios

Super Bock Abadia

Crédito Agrícola

Beppi   

Apoio

Citroën – Lércio Pinto Lda. Concessionário

Comansegur 

Apoio à divulgação

Jornal de Notícias

Artigo AnteriorPróximo Artigo