Arouca, Economia, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Área Metropolitana do Porto quer seguir exemplo de Sheffield em matéria de indústrias criativas

A Área Metropolitana do Porto poderá seguir o exemplo da cidade inglesa de Sheffield, caso as autoridades nacionais e regionais decidam apoiar a criação do pólo de competitividade (“cluster”) de indústrias criativas que será proposto quarta-feira.

Os resultados do estudo sobre o desenvolvimento de um “cluster” de indústrias criativas na região Norte vão ser apresentados quarta-feira na Fundação de Serralves, no Porto, pelo consórcio que redigiu o documento, constituído pelas empresas Horwath Parsus Portugal, Opium, Gestluz e Tom Fleming Creative Consultancy.

O estudo foi encomendado pela Fundação de Serralves, em parceria com a Casa da Música, Junta Metropolitana do Porto e Porto Vivo – Sociedade de Reabilitação Urbana da Baixa do Porto, na sequência de um convite feito pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN).

A directora-geral da Fundação de Serralves, Odete Patrício, disse hoje à agência Lusa que se trata de “um estudo macroeconômico” que visou saber se o Norte tem alguma potencialidade para vir a constituir um “cluster” de indústrias criativas.

“Tom Fleming, na primeira conferência que proferiu no Porto, em Dezembro, deu o exemplo de Sheffield, que era uma cidade em que dominava a indústria do aço e que, depois da deslocalização desta indústria, teve de encontrar um novo paradigma de desenvolvimento”, disse Odete Patrício.

O especialista em estudos e trabalhos sobre indústrias criativas, que quarta-feira fará uma síntese do estudo feito para o Norte de Portugal, realçou na conferência de Dezembro que foi também nas indústrias criativas que Sheffield decidiu apostar, “conseguindo baixar o desemprego e criar novo emprego”.

Situada no “epicentro” do Reino Unido, Sheffield beneficia da proximidade de importantes centros urbanos com actividade cultural, como Manchester, Nottingham e Leeds.

Odete Patrício destacou a qualidade dos autores do estudo sobre o Norte, salientando que o trabalho foi “muito centrado no terreno”, com a audição dos “actores locais”, nomeadamente instituições culturais, produtores, companhias de teatro, empresas de design e de conteúdos para audiovisuais, e universidades com cursos relacionados com as indústrias criativas.

“Pode-se criar aqui uma nova linha económica, de trabalho, a par das que já existem no Norte, no têxtil, na moda e na saúde”, salientou, recordando que, simultaneamente, a Fundação de Serralves lançou uma incubadora de indústrias criativas, para tentar perceber se há “massa crítica” para avançar.

A apresentação de quarta-feira vai incluir também uma conferência de Charles Landry, “unanimemente considerado o maior especialista internacional nos estudos da cultura e da criatividade como veículos para a revitalização das cidades”.

A sessão contará ainda com a presença dos ministros do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional, Nunes Correia, e da Cultura, José António Pinto Ribeiro, e dos presidentes da CCDRN, Carlos Lage, e da Fundação de Serralves, António Gomes de Pinho.

Artigo AnteriorPróximo Artigo