Educação, Sociedade, Vale de Cambra

Fundação Ilídio Pinho aumentou em 50 por cento valor pecuniário do prémio “Ciência na Escola” – Vale de Cambra

O presidente da Fundação Ilídio Pinho anunciou hoje, no Porto, o aumento em 50 por cento do valor pecuniário do prémio “Ciência na Escola”, que passará para 37.500 euros.

O empresário de Vale de Cambra, Ilídio Pinho, falava na cerimónia de entrega dos prémios da edição 2007/08 da “Ciência na Escola”, presidida pelo secretário de estado da Educação, Valter Lemos, que reuniu 225 candidaturas de escolas de todo o País.

Os premiados são oriundos do Agrupamento de Escolas (AE) Marinhas do Sal, de Rio Maior, do Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Francisco Campos Henriques, de Vila Nova de Foz Côa, da escola de Ensino Profissional de Felgueiras, do AE de São Gonçalo, de Torres Vedras, do AE João Franco, do Fundão, da Escola Básica Vasco da Gama, de Sines, e da Escola Básica D. Manuel I, de Tavira.

Os Agrupamentos de Rio Maior e de Vila Nova de Foz Côa repartiram o primeiro prémio, com os trabalhos “A Ciência das Abelhas” e “Sistema de Informação Geográfica do Património Geológico de Vila Nova de Foz Côa”.

Os trabalhos das outras escolas, distinguidos com menções honrosas, foram, respectivamente, “Green TIC Watt”, “Projecto Simulação de Satélite”, “Ciência dos Oito aos Oitenta”, “Projecto EPimc@Tic/QuintoAgá” e “Vamos salvar o planeta Terra: uma perspectiva mundial e concelhia”.

Nesta edição do “Ciência na Escola”, subordinada ao tema “Tecnologias da informação e comunicação”, os vencedores do concurso repartiram os 25 mil euros e receberam uma escultura em prata, simbolizando “dinâmica e poder criativo”.

O secretário de Estado da Educação, Valter Lemos salientou o facto do “Ciência na Escola” promovido pela Fundação Ilídio Pinho, com o apoio do BES, ser o maior prémio escolar atribuído em Portugal e representar “o maior estímulo à excelência que existe em Portugal”.

Valter Lemos anunciou que no ano lectivo 2008/09, correspondente à sétima edição do galardão, será organizado pelo Ministério da Educação um congresso nacional sobre “Ciência na Escola”.

“Face aos resultados obtidos, que nos orgulham a todos, entendemos ser necessário organizar um grande congresso nacional para dar maior visibilidade ao trabalho realizado nas nossas escolas”, disse.

A iniciativa será aproveitada também para expor todos os trabalhos premiados desde 2002/03, ano da primeira edição do prémio.

Valter Lemos anunciou ainda o tema do concurso do próximo ano que será “A produção de conteúdos científicos para o ensino da Matemática”.

“Estas iniciativas servem para contrariar a ideia histórica de que nos damos mal com a Matemática e com as Ciências e servem também para mostrar que os resultados se obtém com esforço”, sublinhou.

A Fundação Ilídio Pinho estabelece como principal orientação estratégica a promoção da Ciência e da Tecnologia ao serviço do homem.

Este prémio visa sensibilizar os alunos dos 2º e 3º ciclos dos ensinos básico e secundário para as ciências exactas – matemática, física, química, biologia e outras disciplinas – e para a escolha de áreas tecnológicas, nomeadamente as relacionadas com as áreas prioritárias da Fundação Ilídio Pinho: Ciências da Vida e Tecnologias de Informação e Telecomunicações.

Os projectos deverão ter um carácter eminentemente prático, permitindo que os estudantes sejam envolvidos em experiências e trabalhos de grupo que lhes permitam conhecer e apreciar a importância do conhecimento e do método científico nas suas actividades futuras.

Deverão também demonstrar a aplicabilidade em situações reais dos conceitos e ferramentas ministrados na sala de aula. 

Artigo AnteriorPróximo Artigo