Santo Tirso, Sociedade

Aprovado concurso público para a constituição de uma sociedade comercial anónima para a construção de equipamentos – Santo Tirso

A Assembleia Municipal de Santo Tirso aprovou ontem por larga maioria – apenas com o voto contra da CDU – a proposta da Câmara Municipal de Santo Tirso para a abertura do Concurso Público (anúncio, programa de procedimento e termos de referência) tendo por objecto a selecção de pessoas colectivas de direito privado para participar com o Município de Santo Tirso na constituição de uma sociedade comercial anónima, de capitais minoritariamente públicos, a qual terá por objecto a concepção e ou construção, financiamento e conservação de equipamentos e infra-estruturas de relevante interesse municipal.  
 

Os equipamentos e infra-estruturas a construir e as actividades a executar pela sociedade a constituir são as seguintes: 

         1 – Requalificação do Cine – Teatro de Santo Tirso: financiamento, construção e conservação do edifício. Refira-se que o projecto de execução da reabilitação deste equipamento já foi aprovado pela Câmara Municipal de Santo Tirso. 

         2 – Requalificação do Mercado Municipal de Santo Tirso: concepção e construção, financiamento e conservação do edifício. 

         3 – Construção dos Estaleiros Municipais: concepção e construção, financiamento e conservação do edifício. 

         4 – Remodelação da Piscina Municipal: concepção e construção, financiamento e conservação do edifício. 

A Câmara Municipal de Santo Tirso atribuiu aos prédios o valor do direito de superfície a constituir a favor da sociedade anónima de direito privado a criar. 

Sobre esta matéria importará referir que a Lei nº 53-F/2006, de 29 de Dezembro, que veio a aprovar o regime jurídico do sector empresarial local, revogando a Lei nº 58/98, de 18 de Agosto, alargou a possibilidade dos municípios criarem parcerias público-privadas numa óptica empresarial.  

Assim, entende-se por parceria público-privada o contrato ou a união de contratos, por via dos quais entidades privadas se obrigam, perante um parceiro público, a assegurar o desenvolvimento de uma actividade tendente à satisfação de uma necessidade colectiva, e em que o financiamento e a responsabilidade pelo investimento e/ou pela exploração incumbem, no todo ou em parte, ao parceiro privado. 

Em muitos dos casos já desenvolvidos pelas autarquias portuguesas se conclui que é possível tirar proveito da capacidade de gestão e eficiência do sector privado, melhorando a qualidade do serviço prestado e gerando poupanças consideráveis na utilização de recursos públicos municipais. Essas poupanças poderão ser usadas na criação de novas sinergias que permitam atingir mais objectivos no âmbito das competências autárquicas. 
 
 

Artigo AnteriorPróximo Artigo