Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Fase mais crítica de incêndios mobiliza 9.600 elementos

Cerca de 9.600 elementos, 2.200 veículos e 56 meios aéreos vão estar disponíveis a partir de terça-feira na fase “Charlie”, período considerado o mais crítico de incêndios florestais, segundo a directiva operacional da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

A fase “Charlie”, que se prolonga até 30 de Setembro, é a que mobiliza mais meios humanos e materiais e conta com 2.373 equipas, num total de 2.266 veículos, 9.642 elementos e 56 meios aéreos.

Os meios aéreos disponíveis incluem 35 helicópteros e 14 aviões, a que se juntam dois aerotanques pesados anfíbios e os novos cinco helibombardeios pesados.

Das 56 aeronaves, noves são meios próprios do Estado, sendo seis helicópteros e três ligeiros, segundo o Ministério da Administração Interna.

A estes meios aéreos há a associar dois helicópteros bombardeiros ligeiros da AFOCELCA, uma associação de empresas do sector papeleiro e de celulose, e brigadas de outros agentes presentes no terreno.

Quanto aos meios humanos, além das corporações dos bombeiros, o dispositivo operacional conta com o Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS) da GNR, presente em 11 distritos com 720 elementos, com a Força Especial de Bombeiros “Canarinhos”, composta por um conjunto de 210 efectivos distribuídos em sete distritos considerados de elevado risco, e com as 35 Equipas de Intervenção Permanente espalhadas por cinco distritos.

Brigadas dos sapadores florestais e do Exército e equipas da AFOCELCA são outros agentes no terreno.

Todo este dispositivo é coordenado pela Autoridade Nacional de Protecção Civil, através do seu Comando Nacional e Comandos Distritais de Operações de Socorro.

De acordo com Governo, o dispositivo corresponde ao maior número de meios de sempre disponibilizado para o combate a fogos florestais.

A área ardida em Portugal nos primeiros cinco meses e meio deste ano, 3.454 hectares, quase triplicou face ao mesmo período do 2007, quando foram consumidos 1.228 hectares, segundo dados divulgados sexta-feira passada pelo Ministério da Administração Interna (MAI).

Os dados referem-se ao período entre 01 de Janeiro e 15 de Junho, tendo sido revelados à agência Lusa, em Beja, à margem de uma reunião entre o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, com os 18 Governos Civis do país.

Segundo o MAI, ocorreram este ano 871 incêndios florestais, o que corresponde a mais 517 do que no ano transacto.

Braga (907), Vila real (669) e Bragança (425) foram os distritos com mais área ardida este ano, enquanto que Faro (nove), Beja (oito), Portalegre (cinco) e Évora (quatro) foram os distritos em que os incêndios consumiram menos hectares.

Artigo AnteriorPróximo Artigo