Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

CCDRN estima que programa operacional regional esteja integralmente executado até final do ano

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN) espera executar, até ao final do ano, a totalidade dos cinco mil milhões de euros atribuídos ao Programa Operacional Regional do Norte, que se encontra em fase de encerramento.
“Não queremos que nenhuma verba se perca, pretendemos que sejam todas aproveitadas”, afirmou hoje, no Porto, Cristina Azevedo, vice-presidente da CCDRN, em declarações aos jornalistas.

Cristina Azevedo falava no final de uma reunião da comissão de acompanhamento do Programa Operacional Regional do Norte 2000/06, vulgarmente conhecido como Operação Norte (ON), durante a qual foi feito um ponto de situação do programa e preparado o relatório de encerramento.

O ON, que é o segundo maior programa operacional do III Quadro Comunitário de Apoio, com uma dotação financeira de cinco mil milhões de euros, apresenta actualmente uma taxa de 100 por cento de aprovações da sua dotação financeira e uma de 90 por cento de execução.

Segundo Cristina Azevedo, entre os 500 milhões de euros ainda em execução, “300 milhões estarão executados até ao final de Junho e os restantes 200 milhões até ao final do ano”.

O Sistema de Metropolitano Ligeiro do Porto, a Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, o Estádio Municipal de Braga, a Requalificação do Centro Histórico de Valença, as Aldeias Vinhateiras do Douro e as Rotas do Românico do Vale do Sousa, da Terra Fria e dos Vinhos Verdes são alguns dos projectos que foram apoiados pelo ON, através dos fundos estruturais.

“Este programa contribuiu profundamente para o desenvolvimento infra-estrutural da região Norte”, considerou a vice-presidente da CCDRN, salientando que a região tem agora condições “para se tornar mais competitiva”.

Nesse sentido, afirmou que o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) surge como uma continuação do esforço desenvolvido pelo ON, já que “traz a vocação da competitividade, depois de concluído o objectivo da infraestruturação”.

Artigo AnteriorPróximo Artigo