Arouca, Economia, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Pólo de competitividade no Norte quer dinamizar indústria da moda

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) está a dinamizar a criação de um Pólo de Competitividade e Tecnologia das Indústrias da Moda, apostado em reforçar a competitividade internacional dos sectores têxtil, vestuário, calçado e ourivesaria.

Em declarações à agência Lusa, à margem da apresentação do projecto, hoje, no Porto, o presidente da CCDR-N afirmou que a iniciativa “reflecte bem o caminho que estes sectores fizeram, apesar de serem constituídos por empresas tradicionalmente muito individualistas”.

“Aproveitando a moldura dos pólos de competitividade e o financiamento do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN), estes sectores fortemente exportadores estão a apostar em formas de organização muito sofisticadas e avançadas, de forma a gerar novos produtos e marcas e conquistar novos mercados”, salientou Carlos Lage.

Segundo o responsável da CCDR-N, neste pólo, como no recentemente criado pólo da saúde, a comissão actuou como “catalizador”, já que “os pólos de competitividade são governados por si próprios”.

Dinamizado pela Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) e pela Associação Portuguesa da Indústria do Calçado, Componentes e Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), o Pólo de Competitividade e Tecnologia das Indústrias da Moda aposta numa “estratégia e visão colectiva” dos vários sectores que integra.

De acordo com Carlos Lage, o objectivo é “associar, de forma organizada e sistemática, as relações entre as empresas do sector, centros tecnológicos e meio universitário”, criando um sistema “em que todos beneficiam de projectos âncora e de promoção externa”.

“O projecto pretende impulsionar uma renovação profunda das indústrias tradicionais e ser uma referência da moda nos mercados externos, criando entre os vários sectores formas de vantagem mútua”, explicou.

O pólo da moda, que assumirá o estatuto de associação, está neste momento em fase de criação, estando em curso a elaboração do projecto de estatutos da nova entidade, a que se seguirá a definição do seu programa de acção e projectos âncora de excelência.

Estes serão, depois, candidatados aos fundos comunitários que, segundo Carlos Lage, serão “o grande fermento” deste projecto.

Para o presidente da CCDR-N, esta é “uma das melhores formas de canalizar os fundos comunitários destinados à internacionalização das empresas e à conquista de novos mercados e criação de novos produtos e marcas”.

Para além dos presidentes da CCDR-N, da ATP e da APICCAPS, participam na apresentação do Pólo de Competitividade e Tecnologia das Indústrias da Moda o coordenador do Plano Tecnológico, Carlos Zorrinho, e o secretário de Estado da Indústria e Inovação, Castro Guerra.

Apesar de sedeado no Norte, Carlos Lage garante que o novo pólo da moda pretende ter “carácter nacional e ambição mundial”. 

Artigo AnteriorPróximo Artigo