Desporto, Oliveira de Azeméis, Sociedade

Pavilhão gimnodesportivo pronto para arrancar – Oliveira de Azeméis

A construção do pavilhão gimnodesportivo municipal de Oliveira de Azeméis custará 897 mil euros e estará concluída dentro de um ano. 
O montante e o prazo de execução da obra constam do contrato assinado esta semana entre a autarquia e a empresa construtora.  
“O pavilhão vai colmatar uma lacuna sentida no concelho ao nível da formação dos atletas”, afirmou o presidente do município após rubricar o contrato de empreitada com a empresa vencedora do concurso. 
“É uma estrutura fundamental para Oliveira de Azeméis que será colocada ao serviço da formação, dos clubes e das escolas”, reforçou Ápio Assunção, garantindo o seu uso por parte das classes de formação da União Desportiva Oliveirense, num total de centenas de atletas nas modalidades de basquetebol e hóquei em patins, mas também de todos os outros clubes do concelho, colectividades e estabelecimentos de ensino.  
“O pavilhão estará aberto à população, permitindo o treino simultâneo de várias equipas”, disse. 
“O novo recinto desportivo impedirá também que muitos atletas sejam obrigados, como acontece hoje, a deslocar-se e a treinar nos vários pavilhões existentes no concelho”, acrescentou o autarca, sublinhando tratar-se de “mais uma promessa que está a ser cumprida”. 
O pavilhão localizar-se-á na Zona Educacional e Desportiva da Cidade onde já estão implantadas outras infraestruturas como o pavilhão e o campo de treinos da UDO, o Clube de Ténis de Azeméis e as piscinas municipais, em fase de construção.  
O recinto, que se pretende uma unidade de elevado rendimento desportivo, terá uma área total superior a três mil metros quadrados, sendo composto por uma nave principal (área de evolução desportiva) com 1330 metros quadrados e uma outra, secundária, com 224 metros quadrados.  
Em termos de uso as classes de formação sairão beneficiadas em grande escala embora o recinto possa ser utilizado para a alta competição. 
A nível da energia utilizada o projecto introduz aspectos inovadores. Além da energia solar, com a construção de uma central fotovoltaica, será utilizada a biomassa para produção de água quente.  
O projecto contempla também a racionalização dos consumos de energia numa lógica de optimização dos sistemas de iluminação ao nível das tecnologias das lâmpadas, armaduras e controlo com o objectivo de reduzir os consumos de energia no interior e exterior do edifício. 
As pessoas de mobilidade reduzida terão acesso facilitado ao seu interior tendo sido observados todos os requisitos no que se refere à supressão das barreiras arquitectónicas a nível das instalações sanitárias e balneários e ingresso na bancada através de uma plataforma elevatória.  
O projecto de arquitectura contempla ainda o arranjo paisagístico na área circundante ao pavilhão e intervenções ao nível do estacionamento automóvel (incluindo lugares reservados a pessoas portadoras de deficiência), aparcamento de autocarros e acesso do público, peões e automóveis. 
 

Artigo AnteriorPróximo Artigo