04/19/2014

Andrade quer deixar selim «em beleza» com recorde do «Guinness» – Sta. Maria Feira

Por metronews - Sáb Abr 04, 2:30 pm

Joaquim Andrade (Fercase-Rota Móveis) é um dos três corredores a poder alcançar um feito inédito na 27ª Volta ao Alentejo, mas o objectivo para 2009 é outro: encostar a bicicleta «em beleza» e inscrever-se no «Guinness».

O ciclista, que se destacou várias vezes na especialidade de contra-relógio, nasceu há quase 40 anos na «aficionada» localidade de Sangalhos, mas está há muito radicado em Travanca, Santa Maria Feira.

Mesmo «sem pensar muito no futuro», este será definitivamente o último ano de profissional, após concluir 21 Voltas a Portugal, no próximo dia 16 de Agosto, data do seu aniversário, em Viseu.

«Seria uma despedida em beleza. Os últimos dois anos foram muito azarados, com quedas e lesões. Queria ter uma época como deve ser antes de me retirar. Depois de muita incerteza, surgiu esta oportunidade no Paredes», afirmou à Lusa, sem ilusões de imitar o homónimo pai, vencedor da Volta a Portugal de 1969, pelo Sangalhos.

Caso complete a sua 21ª Volta a Portugal consecutiva, desde o 58º posto de 1989, Andrade pode figurar no Guinness World Records como único ciclista do Mundo a completar tal número de grandes corridas por etapas consecutivamente e «já houve alguns contactos nesse sentido».

O melhor resultado do veterano do pelotão nacional na maior prova velocipédica portuguesa foi o sétimo lugar de 1995, enquanto 2008 ficou marcado pela sua pior prestação (65º).

Contudo, «olhando para trás», os títulos nacionais de «crono» (2002 e 2003) e de fundo (2005) e as vitórias na Volta ao Alentejo (2002), na Volta ao Algarve (1991), na corrida Porto-Lisboa (1991) e no Tour Poitou Charentes (1997) são os destaques de uma carreira em que representou Sicasal, Feirense, Boavista, Maia, Barbot, Cantanhede, Tavira e Riberalves.

«Vou ter que começar a pensar no futuro. Claro que a ligação ao ciclismo é muito grande com duas décadas nas pernas. O meu pai tem um negócio de bicicletas e também gostava de ajudar os jovens, como já venho fazendo com a minha experiência, portanto o sector da formação também é uma hipótese», continuou.

O «velhote», como é carinhosamente tratando entre os mais atrevidos colegas de profissão, alcançou a camisola amarela de líder da «Alentejana» de 2002 precisamente num exercício contra o tempo.

«Esta é a minha primeira corrida da temporada. Será muito difcil (vencer), se não mesmo impossível», acrescentou.

Deixar uma resposta